Artigos Jurídicos

Empresa do setor varejista é condenada por prática de sobrejornada

O magistrado observou que era comum que os funcionários continuassem trabalhando, mesmo após o expediente encerrado.

O juiz do Trabalho Diego Taglietti Sales, da 1ª vara de Itaquaquecetuba/SP, determinou que empresa do setor de varejo tome providências para que seus empregados registrem a jornada de trabalho efetivamente exercida. Em ação civil pública proposta pelo MPT, o magistrado determinou a eliminação das atividades laborais depois do registro de ponto. 

Este conteúdo pode ser compartilhado na íntegra desde que, obrigatoriamente, seja citado o link: https://www.migalhas.com.br/quentes/355411/empresa-do-setor-varejista-e-condenada-por-pratica-de-sobrejornada

A prática foi verificada em unidade da empresa no mesmo município do juízo, na qual os funcionários, embora tivessem o sistema bloqueado ao atingir a jornada contratada, usavam a matrícula de terceiros para seguir trabalhando.

O magistrado prolator da sentença, constatou, por meio das testemunhas, que era comum a prática de os trabalhadores encerrarem o expediente e seguirem trabalhando, a fim de continuarem o atendimento a clientes. Segundo o juiz, essa conduta vai contra a legislação e o horário deve ser adequadamente computado.

A condenação inclui pagamento de indenização de R$ 50 mil por danos morais coletivos. Caso descumpra a determinação, a empresa terá de pagar mais R$ 3 mil por empregado encontrado em situação irregular e a cada dia em que acontecer a irregularidade.

O magistrado não acolheu o argumento da empresa de que não seria possível fraudar o relógio de ponto. Para o juiz, “as questões estão relacionadas com irregularidades não no sistema de registro de ponto, mas na dinâmica laboral paralela ao registro e posterior à marcação”.

Processo: 1000578-76.2021.5.02.0341

Fonte:www.migalhas.com.br

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo